quarta-feira, 2 de junho de 2010

ANÁLISE DA LETRA DA MÚSICA "CAMINHANDO E CANTANDO", DE GERALDO VANDRÉ

UMA HISTÓRIA DE OUSADIA

Para entender o significado e a importância da música mais popular de autoria de Geraldo Vandré, é preciso saber que a mesma se impôs num cenário musical e cultural dos mais delicados, principalmente se considerarmos que em 1968 nosso país vivia um momento político dos mais difíceis.

Usando seu talento poético e musical, Vandré ousou driblar a censura implacável que os militares reservavam a toda manifestação cultural que fosse de encontro do regime estabelecido, para lançar no ar uma mensagem musical, alertado o povo brasileiro para a situação reinante, e principalmente para a necessidade desse povo tomar para si as rédeas da história. Só assim seria possível tirar o país das trevas social e política em que o mesmo fora colocado, por um regime militar reconhecidamente excludente.

“PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DAS FLORES” foi apresentada ao público no Festival da Canção. Premiada pelo júri com a segunda colocação, a canção voltou a ser interpretada de novo nesse evento sob vaias e protesto, de um Maracananzinho superlotado, e que não conseguia compreender os votos dos julgadores.

Mas a canção de Vandré era forte o suficiente, e não apenas resistiu à incompreensão dos jurados e da ditadura militar – que proibiu sua execução por anos -, mas acabou transformando-se no hino oficial de toda uma geração politicamente consciente e devidamente engajada em um dos movimentos sociais. E o segredo da eterna emotividade em ouvir “PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DAS FLORES”, talvez possa ser compreendido com uma leitura mais cuidadosa da música em questão.

Na primeira estrofe, Vandré simboliza a igualdade entre os homens através de uma melodia cantada em uníssono por todos aqueles que socialmente pertencem ao grupo dos excluídos. Nas entrelinhas o autor parece fazer um alerta sobre a necessidade da comunhão dos explorados, para juntos entoarem afinados a melodia que transforma e que liberta.

Na segunda estrofe, o autor faz um alerta veemente sobre a necessidade de o homem construir sua própria história sem intermediários. Se o homem se encontra insatisfeito com o sistema em que vive e com sua condição de explorado, é preciso que ele tome para si e para os que como ele pensam, a tarefa de construção de uma sociedade onde ele possa se sentir humanamente satisfeito. O homem que sabe de sua condição de explorado não deve confiar sua libertação a terceiros. Ele deve ter a consciência que o fim do seu estado de opressão passa por sua ação participativa, propondo e sendo sujeito nos momentos em que se tomam e em que se põem em prática decisões libertadoras.

No terceiro parágrafo, o autor nos remete a uma realidade social das mais injustas em nosso país: a questão da má distribuição daquilo que se produz no campo. Como resultado disso, enquanto meia dúzia de grandes proprietários acumula fortunas exportando produtos colhidos em suas extensas áreas de terra, a maioria do povo passa fome, seja por falta de um pequeno pedaço de terra onde ele possa tirar seu sustento, seja pela falta de recursos para adquirir os produtos colocados à venda no mercado varejista, sempre com preços muito acima do valor real. Vandré completa seu pensamento nesse parágrafo abordando o problema das pessoas que vagueiam pelo país afora, sem qualquer perspectiva profissional ou de ascensão social. Apesar de tudo, esses seres preferem acomodar-se à situação em que vivem, e a maioria segue acreditando que um dia tudo possa ser resolvido de forma pacífica, através de um acordo entre explorados e exploradores.

No penúltimo parágrafo, o autor fala sobre o braço armado do sistema. São pessoas que exercem uma profissão tão alienada e brutalizada, que não conseguem de fato cumprir a função que a sociedade espera delas. Brutalizados e treinados para enxergar inimigos em todo e em todos, os “soldados da pátria” estão sempre prontos a matar e a morrer. Mesmo que nesses gestos não exista mesmo muito sentido, afinal, pode haver explicação para se entregar a vida por causas onde não há sentido?

Vandré encerra seu discurso musical falando sobre o amor que os sujeitos das transformações precisam dedicar à causa que resolveram abraçar. Segundo o autor, tais agentes das transformações necessitam, acima de tudo, acreditar na necessidade da libertação dos oprimidos. Eles têm ainda que conhecer a fundo a origem da opressão do seu povo, para, a partir daí, formular um projeto conseqüente, confiável e que realmente possa ser aplicado à causa libertadora.

E o autor encerra seu discurso como a afirmar que o projeto de uma nova sociedade, por não ser algo pronto nem acabado, precisa que seus autores e propositores sejam pacientes e humildes o suficiente para estar constantemente aprendendo a lição das necessidades do povo, enquanto ensina a esse povo uma nova lição: a lição libertadora.


José Eduardo Bastos

11 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não seria por menos, percebe se que ele é pactuador dos que desejavam instalar a ditadura do proletariado (COMUNISMO).

      Excluir
  2. Bastante intereesante esta reportagem.Foi de grande valia para minha pesquisa.

    ResponderExcluir
  3. Eduardo Bastos,
    Gostei muito da sua Análise e peço licença para ler e fazer um comentário junto a minha turma.
    Amei a sua explicação!
    Ana Cristina.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! Estou tentando entender agora a dos titans comida

    ResponderExcluir
  5. obrigado pela a interpretação , do estilo , da letra, da melodia, o engajamento e a politização que Geraldo Vandré , trabalha todo o taleto que o cancionista utiliza para levar a sua mensagem e despertar o verdadeiro sentido que a música convida para observar o momento em que o país vivia e mudar o rumo de nossa história , em um momento que não havia liberdade, e sim o silêncio e a tortura era o que se via toda a nação.obrigado por essa análise musical.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns! Despertar a consciência crítica e política é um desafio diário! Já utilizei essa canção em sala de aula e o resultado foi muito significativo.

    ResponderExcluir
  7. Tudo papo furado. Qualquer mané da égua pode ligar essa canção a qualquer movimento. Neste caso, os comunas o fizeram. Se tivessem vencido, o brasil seria um inferno igual à cuba, à Venezuela. .....

    ResponderExcluir