quarta-feira, 11 de novembro de 2015

LELLO ARAÚJO: UM EMBELEZADOR DA CIDADE, UM ARTÍFICE DO PINCEL E DO SPRAY


                                                                                                                          Eduardo Bastos


NO MEIO DO CAMINHO TINHA ARTE

Um dia do mês de outubro de 2015, sai de casa e me deparei com a exposição de quadros sobre a qual eu ouvira falar nas redes sociais. Nesse momento, passei apressado e segui meu caminho, lembrando que precisava passar por ali na primeira oportunidade que tivesse. No retorno, não me contive e adentrei a sede da Diretoria Regional de Educação (DR-2) - local que abrigava a exposição de artes de Lello Araújo, intitulada "Lello Lagartense", e fui recepcionado pelo artista em pessoa. Naquele instante me ocorreu uma ideia e, ao invés de percorrer o espaço, apreciando as obras, indaguei ao próprio Lello se seria possível eu fotografar tudo que via ali. O artista não se fez de rogado, me dizendo que eu ficasse à vontade. 

Paisagem urbana em tela pintada por Lello Araújo
Não havia se passado nem quinze minutos desde minha partida do DR-2, e eu já estava de volta, com todos os apetrechos de que necessitava para fazer minhas fotos. Encontrei o artista montando sua moto, de saída para tratar de assuntos pessoais, e comuniquei-lhe que faria meus registros naquele momento. Mal eu havia sentado e retirando a bolsa da máquina do pescoço, fui surpreendido pela presença do artista ao meu lado, esperando pacientemente que eu me aprontasse para entrar em ação. Em seguida, Lello se postou junto a mim e atendeu meu pedido de pousar ao lado de cada tela - e, a cada click, Lello, que mal me conhecia até então, fazia questão de falar sobre inspirações e técnicas empregadas nas obras expostas. Nesse momento também ganhamos a companhia de uma amiga, que tratou de apresentar eu a Lello e Lello a mim, e que contribuiu para que naquela manhã eu deixasse o DR-2 com a sensação de ter ganho a manhã, tanto por ter registrado a estreia de um grande artista, quanto por ter feito mais um amigo - um amigo que é mesmo um sujeito gente fina, educado e atencioso até mesmo com eu, um individuo que captura imagens sem a menor pretensão fotográfica, e que desejava apenas deitar um olhar curioso sobre uma das expressões artísticas daquele artífice do pincel e do spray. 

LELLO ARAÚJO 

Praça da Piedade em recorte de Lello Araújo
Lello Araújo é o nome artístico  de Marcelo dos Santos Araújo, um Lagartense filho de Carlos Lisboa de Araújo e de Vera Lúcia dos Santos, que nasceu e foi criado no bairro Cidade Nova, que estudou durante toda sua infância na Escola Frei Cristóvão de Santo Hilário, e que nunca saiu de sua cidade natal para residir fora. Logo cedo, Lello iniciou carreira como pintor, trabalhando com pinturas artísticas e letreiros comerciais para lojas, até finalmente virar grafiteiro. Em nenhum momento o artista trabalhou em outra área, nem é capaz de se ver exercendo outra profissão. Desde cedo, por volta de 2001, ele percebeu que tinha vocação para o grafite, e  frequentava a escola apenas para fazer desenhos e para perturbar. Não estava nem ai para os estudos - só tirava notas boas em Arte -, apesar de ter chagado a concluir o segundo ano do segundo grau.  

Lello iniciou sua trajetória artística fazendo desenhos em cadernos, até que surgiu a oportunidade de ele fazer letreiros para candidatos a vereador e para o comércio local. Desde a tenra idade, percebeu que tinha o dom para desenhar, e, por isso mesmo, se deixou levar pela profissão, não sendo possível, hoje, se ver exercendo outra atividade. Lello costuma trabalhar por encomenda, até porque se o artista não trabalhar desse jeito ele não sobrevive, já que as coisas estão difíceis, e sobreviver de arte no Brasil é complicado, pois falta incentivos fiscais e, principalmente, apoio dos órgãos governamentais. Nosso artista diz que se realiza mais quando executa um trabalho de forma espontânea, quando faz arte do seu gosto. Mas ele tem consciência também que viver apenas de arte espontânea no Brasil é difícil, e por isso sempre trata de convencer a si mesmo que precisa aceitar encomendas. 

ARTE EM GRAFITE 

Grafite em homenagem a Silvio Romero
Ao falar sobre o grafite, Lello diz que é a arte mais linda do mundo, nascida no subúrbio, discriminada e que hoje virou arte pop. O grafite é mais uma das formas de o ser humano se expressar, homenagear, passar uma mensagem para o transeunte e embelezar a cidade. Hoje, para Araújo, o grafite é o grande amor de sua vida - e para sempre será! (Lello Araújo foi um dos artistas grafiteiros que participou do projeto idealizado pelo poeta Assuero Cardoso, que tinha por proposta envolver e prestigiar os grafiteiros da terra, num trabalho de embelezamento do Colégio Estadual Silvio Romero). 

Lello costuma falar que nunca chegou a fazer curso de desenho ou de pintura. Ele esclarece que já sabia desenhar, já tinha noção de desenho, mas nunca chegou a fazer curso. Sua preocupação foi a de ir se aprimorando, pois, em toda profissão, em toda arte é preciso haver a prática para não se ficar para trás. Muita gente chaga inclusiva a perguntar a Lello se ele fez curso, mas ele diz que o que fez mesmo foi dar curso de grafite, com o apoio da prefeitura.  

Lello revelou que, em seu trabalho com grafite, se referencia em muitos brasileiros, pois hoje o nosso é o país que mais exporta grafiteiros para o mundo. O artista plástico lagartense lembra que o grafite nasceu no Booklin (EUA), e hoje tem grafiteiros do Brasil que dá aula onde a arte nasceu. Lello se espelha muito em Eduardo Kobra, que é um brasileiro famoso, e que atualmente viaja por diversos países fazendo arte. Seu outro referencial é Bankys, que é o grafiteiro mais famoso do mundo, e que - enquanto viajava por países em conflitos armados - pintou em grafite a imagem de um guerrilheiro atirando um buque de flores - imagem que virou símbolo atual da luta pela paz. 

MOTIVAÇÃO ARTISTICA  

A arte que embeleza também denuncia
O que motiva Lello a fazer arte é a necessidade de mostrar a cultura do povo para o povo, para o povo enxergar o quanto a cultura é grande. As dificuldades sentidas no cotidiano pelos brasileiros também são fontes de inspiração para compor sua arte. Lello Araújo chegou a produzir uma obra em grafite para o Sarau da Caixa D'Água, e ainda há um proposta de Alfonso Augusto (um dos organizadores do Sarau), para que ele grafite as colunas que sustentam o reservatório de água que costuma abrigar o mais importante evento cultural de nossa cidade na atualidade.  

QUANDO PINTAR SE TORNA UM VÍCIO 

Todo trabalho de Lello tem inicia quando o cliente o procura. O artista então realiza uma pesquisa na Internet, até encontrar uma imagem temática que se aproxime do desejo manifestado pelo contratante. Para a última exposição de quadros que fez, cujo tema era [o município de] Lagarto, Lello diz ter precisado fazer estudo dos locais que ele escolheu para retratar, e também tirou fotos dessas localidades e de pessoas.  

Em 2008, Araújo confeccionou 08 (oito) telas para uma evento que fizeram aqui em Lagarto, e que era uma exposição conjunta, com a participação de vários artistas plásticos da terra: Daniela Pessoa, Altair Alcântara, etc. Logo em seguida o artista parou de pintar telas, porque elas não tinham saída, e ele ainda não tinha nome na praça, não era um profissional conhecido em Lagarto. Depois de perceber que seu nome aos pouco se tornava conhecido, o artista foi tomada pela saudade de pintar - porque, no dizer de Lello Araújo, "pintar acaba virando um vício. Após trabalhar a primeira tela, pode se passar dois ou três anos que o artista acaba sendo invadido pela vontade de voltar a manipular o pincel outra vez". 

O GRAFITE QUE DÁ PRAZER 

Segundo Lello, o grafite se diferencia da pintura em tela por ser uma arte urbana, em que o artista não necessariamente tem que ficar entregue à calmaria das paredes de um quarto. O grafite se difere também por ser a arte do protesto e do embelezamento da cidade. O grafite tem por característica ainda ser uma arte de curta duração - o prazo de vencimento de um grafite é de aproximadamente cinco anos, enquanto uma arte impressa em tela pode resistir por anos a fio. Trabalhar com grafite é a forma de expressão artística que mais dá prazer a Lello. Ele revela que tanto o grafite quanto a pintura em tela estressam demais, já que ambas exigem esforço mental, e, por isso, costuma reversar entre uma forma de arte e outra, como forma de compensar o desgaste físico e emocional. 

QUANTO VALE A ARTE 
Esboço do que irá para a tela

Ao falar sobre seu processo de trabalho, o grafiteiro e pintor diz que, antes de iniciar uma obra, primeiro faz um esboço, um rascunho daquilo que deseja ver impresso na parede ou na tela. Sempre que trabalha pintando uma tela, Lello o faz a partir de uma fotografia, pois o vento, a poeira e outras variações do clima em ambientes externos podem contaminar a tinta a óleo que ele usa. 

O preço de uma tela pintada por Lello Araujo é definido por uma tabela nacional, que estabelece o valor por centímetros quadrado. Sempre que realiza um trabalha em grafite aqui em Lagarto, Lello costuma cobrar R$ 80,00 por metro quadrado - valor que sobe para R$ 100,00, quando o trabalho é executado em Aracaju ou em outras cidades. 

O artista embelezando a paisagem
Lello diz que, ao concluir uma obra em grafite, é invadido por um prazer imenso, como se tivesse acabado de fazer um filho, e afirma que nunca pinta um quadro pensando apenas no dinheiro que ele poderá lhe render - e prova disso é que já chegou a colocar preço em um quadro muito acima do valor real, para evitar assim que a tela viesse a ser adquirida. Ele prefere doar uma obra  a um amigo - que vai zelar, cuidar da pintura com carinho -, do que vendê-la. Lello confessa que, quando vai entregar uma obra ao comprador, sempre repete o mesmo discurso: "Olhe, aqui é como se eu tivesse feito um filho e agora estivesse doando ele para você. Gostaria que você tomasse conta dele como eu tomaria". 

A ANSIEDADE (SERÁ QUE FICOU LEGAL?) 

Um dia Lello Araujo estava em Aracaju, concedendo entrevista para uma emissora de televisão, quando sugeriram-lhe que permanecesse por lá, pintando telas que retratassem pontos turísticos, numa homenagem à capital de todos os sergipanos. Ele voltou para Lagarto com a ideia fixa de fazer esse trabalho, mas, ao aqui chegar, pessoas o aconselharam a primeiro homenagear sua terra, para que quando o artista chegasse em Aracaju alguém não viesse a dizer: "Olha, ele nunca fez nada por sua cidade!" A partir dai Lello criou gosto e, desde o inicio do mês de janeiro de 2015, começou a confeccionar novas telas. Mas esse foi um momento em que ele passou a ter insônia, pois, sempre que concluía uma obra e a botava para secar (o período de secagem de um quadro pintado a tinta óleo é de cerca de um mês), era tomado por grande ansiedade, e precisava ligar para os amigos que o apóia para ter certeza de que a pintura ficara legal). 
Pintura retrata onde o povoamento teria 

Esse trabalho de Lallo Araújo lhe provocou expectativa e ansiedade por antecipação, mas resultou na Exposição Lello Lagartense, que acabou recebendo um público muito superior ao esperado - a ponto de o artista chegar a afirmar que "Lagarto gosta de arte e apoia os artistas da terra". Nessa exposição, 17 obras foram colocadas à venda e 13 foram adquiridas. Atualmente, Lello pinta novas telas para atender pedidos de clientes que não conseguiram adquirir os quadros que desejavam ao longo do período em que durou a exposição em questão. O artista tem também a intenção de em 2016 fazer uma homenagem a Aracaju, pintando pontos turísticos e históricos (como Croa do Boré, Orlinha do Pôr-do-sol, Mercado Tales Ferraz, Edifício Estado de Sergipe (Maria Feliciana) e Ponte Aracaju-Barra dos Coqueiros), além de personalidades. 

GRAFITANDO E PINTANDO COM O MELHOR QUE HÁ

No trabalho que faz usando a técnica do grafite, Lello utiliza latex e bisnaga, com o diferencial de sempre fazer uso de material de qualidade, o que de melhor encontra no mercado. No final de cada obra em grafite, são dadas duas mãos de um verniz apropriado para parede, garantido assim que a pintura tenha uma durabilidade de, no mínimo, três anos. Quando pinta telas, Lello trabalha com o que há de melhor em tinta óleo (algumas dessas tintas ele compra diretamente da cidade de São Paulo; outras são importadas). Um quadro leva de quinze dias a um mês para secar superficialmente, enquanto sua secagem total pode exigir 50 anos. 

ARTE DO HOJE PARA O AMANHÃ

Lello é o artista da arte breve e da arte perene - daquela que é capaz de atravessar nosso tempo. Seu trabalho eterniza contextos e mostra-nos estilos de vidas de gerações do presente e do amanhã. Suas investidas sobre paredes e quadros revelam para Lagarto e para Sergipe um talento nato, um artista plástico de pinceladas e grafitagens comprometidas em denunciar, mas também em embelezar paisagens e personagens que cercam todos nós. 

Que a obra desse artista lagartense continue colorindo nossos caminhos e eternizando o presente que amanhã será o passado que não volta mais.


Fotos: Eduardo Bastos 
           Arquivo pessoal de Lello Araújo

Um comentário:

  1. parabens grande artista com um brilhante futuro sangue novo

    ResponderExcluir